A Câmara Municipal de Salvador lança pelo Selo Editorial Castro Alves dois livros raros do intelectual baiano Manuel Querino, “As Artes na Bahia” e “Artistas Bahianos”. O evento será no dia nove de abril, às 16h, no Salão Nobre da Casa. As obras estão fora do prelo há mais de 100 anos. Os professores Maria das Graças de Andrade Leal e Luiz Alberto Ribeiro Freire assinam as apresentações dessas novas republicações.

Para o presidente da Câmara, vereador Leo Prates (DEM), as obras republicadas registram a riqueza da produção artística baiana, sendo imprescindíveis para manter viva a memória cultural brasileira. “A vida intensa e produtiva de Querino era reflexo de um gênio fértil, cuja criatividade nos deixou livros de incontestável relevância histórica. Ele também brilhou nesta Casa como vereador”, afirma.

Autora de biografia sobre Manuel Querino, a professora Maria das Graças de Andrade Leal destaca a importância do trabalho intelectual do baiano. “A obra de Querino passa pelos estudos sobre a cultura afro-brasileira, mas envolve também temas diversificados, como a vida do operário na República, o cotidiano de Salvador, as artes e os artistas, além da herança africana nos costumes brasileiros”.

Já o professor Luiz Alberto Ribeiro Freire considera que, com as publicações de “Artistas Bahianos” e “As Artes na Bahia”, Querino militou efetivamente contra a cultura do esquecimento, tão presente no estado. “Essas foram as contribuições intelectuais de Querino mais sistemáticas, as mais maturadas”, assinala.

INTELECTUAL MULTIFACETADO

Professor, jornalista, escritor, pintor, militante do movimento liberal, líder abolicionista e um dos fundadores da Liga Operária Bahiana e do Partido Operário. Manuel Raymundo Querino foi um intelectual negro, pioneiro nos registros etnográficos e nos estudos sobre história da arte no Brasil. Ele nasceu no município de Santo Amaro da Purificação (BA), em 28 de julho de 1851.

Manuel Querino foi um dos fundadores do Liceu de Artes e Ofícios, além de membro do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia (IGHB). Ao longo da vida, ele elaborou e publicou diversos livros, monografias e artigos. Como jornalista, criou os periódicos “A Província” e “O Trabalho”, nos quais defendeu a abolição da escravidão.

Elegeu-se vereador por dois mandatos no final do século XIX, após participar da Liga Operária Bahiana, organizar o Partido Operário e defender os direitos trabalhistas. Personalidade histórica, Querino inspirou Jorge Amado na criação do personagem Pedro Archanjo, do romance Tenda dos Milagres, de 1969.

 

Imagem: Reprodução