Do Alto da Colina, bairro do município de Conceição do Coité, no nordeste da Bahia, para uma altitude de 1.326 metros, onde fica a pequena Briançon, cidade mais alta da França. Essa foi a distância percorrida por 14 jovens da Orquestra Santo Antônio (OSA), que participaram de um intercâmbio cultural na Europa e tiveram a oportunidade de mostrar seus talentos em um concerto, especialmente voltado para o público da igreja local.

Com um repertório de músicas clássicas e brasileiras, a Orquestra Sinfônica, dirigida pela regente Dianara de Almeida Ramos, 22 anos, encantou os franceses, que aplaudiram o espetáculo durante 20 minutos. A apresentação, realizada na última sexta-feira (30), é o resultado de um trabalho que vem sendo desenvolvido pela instituição a partir do Edital de Mobilidade Artística da Secretaria de Cultura do Estado (Secult), com financiamento do Fundo de Cultura.

Para Josevaldo Nim, co-fundador e diretor artístico da Orquestra Santo Antônio, o apoio da Secult é fundamental. “São 14 jovens que, em 10 anos, acessaram o ensino superior em música. Ao todo, temos cinco jovens que farão residência artística no exterior. O edital é importante e proporcionou que, em 2014, fôssemos até para Lisboa através da Secult. Outro grupo do projeto foi para o México, em 2017, levando uma mostra de instrumentos de sisal”, explica.

O maestro destaca ainda que o edital é uma forma democrática de acessar os recursos públicos voltados para a cultura. “Estamos felizes pela repercussão e acredito que o resultado disso beneficiará ainda jovens que sonham em virar músicos e ganhar o mundo com a música”, acrescenta.

No segundo ato, a Orquestra Sinfônica du Briançonnais se juntou aos brasileiros e, dirigida pelo maestro Dominique Togni, optou por Allegro Vivo de Georges Bizet. A última canção foi ‘Mourão’, de César Guerra Peixe, tocada com dois arranjos diferentes. Um mais clássico e outro mais agitado, dirigido por Dianara de Almeida Ramos.