Após a assinatura da ordem de serviço, ocorrida no último dia 25, a requalificação da Avenida Sete de Setembro tem gerado expectativa positiva em ambulantes, taxistas e frequentadores assíduos da região. As obras da Prefeitura vão durar 14 meses e terá investimento de R$17,5 milhões. Os recursos são provenientes de financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), através do Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur).

Atualmente, 1.350 ambulantes cadastrados trabalham na localidade. Entre eles está o vendedor de roupas e peças íntimas, Francisco da Hora, 60 anos. Há dez, ele vende os artigos na Praça Barão do Rio Branco. “Tenho certeza que será muito benéfico para nós. Participo das reuniões e, pelo que tenho visto, as melhorias vão organizar melhor o comércio”, afirma.

A participação dos ambulantes nos encontros e reuniões tem sido de suma importância para implantação do projeto, ressalta o presidente da Associação Integrada de Vendedores Ambulantes e Microempreendedores da Avenida Sete de Setembro, Rosemário Lopes. “Estamos juntos com o poder público, discutindo, alinhando. Aqui é uma região antiga, tradicional, que precisa ser melhorada. Com a revitalização vai ser bom para todos, tanto para nós que vivemos do comércio local, quanto para os clientes, visitantes e turistas”, completa.

Morador do Barbalho, o aposentado Nelson Batista, 84 anos, não abre mão da rotina diária de jogar damas no período da tarde, na Praça da Piedade. Questionado sobre a revitalização, ele dispara: “Vai ser coisa boa. Toda vez que mexem por aqui é só para melhorar. Estou de acordo”, diz.

Projeto – A primeira fase é composta por prospecção arqueológica para verificar se existem aspectos arqueológicos que necessitem ser removidos ou preservados – a medida segue uma recomendação do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Logo em seguida, as primeiras intervenções vão ocorrer próximo ao Campo Grande, nas imediações da Casa de Itália e na Praça Castro Alves, logo após o Carnaval.

As intervenções vão possibilitar a valorização do comércio e dos imóveis da região. O projeto prevê a revitalização e ampliação de calçadas em pedra portuguesa, preservando as características históricas originais, inclusive os brasões; troca do asfalto; delimitação de vagas de estacionamento; iluminação em LED; implantação de fiação subterrânea; criação de áreas de convivência; drenagem; arborização; adaptação de piso tátil e instalação de rampas para acessibilidade.

No período das obras, a mobilidade não ficará comprometida. Todas as mudanças necessárias no trânsito, transporte e passagem de pessoas serão comunicadas antecipadamente à população e comerciantes locais. Com isso, a intenção é garantir que a requalificação possa acontecer, de forma mais tranquila possível, em uma das avenidas que abriga o maior comércio de rua de Salvador.