Começou neste sábado a 34ª edição do Bahia Juniors Cup com entrada gratuita no Clube Bahiano de Tênis, no bairro da Graça, em Salvador (BA), com a disputa do qualifying na categoria mundial até 18 anos, nas categorias Sul-Americanas de 16 e 14 anos e a chave principal do Tennis Kids categoria 10 anos.

A paranaense Maria Mauad, de apenas 14 anos, superou a brasileira Gabriela Almeida por 6/2 6/1: “Comecei bem, um pouco nervosa, a gente não é muito acostumada a dizer fora ou boa pois não jogamos tanto na quadra dura, mais no saibro, fiquei meio tensa pelo fato de ser o primeiro jogo na categoria nos 18 anos. A expectativa para a final do quali é jogar bem, girar bem a bola, sacar bem novamente, vibrando bem, super positiva, acho que será um ótimo jogo”, apontou a jogadora que disputa sua primeira competição até 18 anos e busca vaga na chave principal diante da brasileira Maria Oliveira, segunda favorita, que eliminou a paranaense Luana Wild por 7/6 (7/4) 6/4. Luana é irmã de Thiago Wild, campeão do Bahia Juniors Cup em 2016 e que este mês fez história para o Brasil vencendo o US Open, um dos quatro Grand Slams do tênis.

Mauad costuma se dar bem no Bahiano de Tênis. Este ano disputou o Campeonato Brasileiro Interclubes e foi finalista nos 14 anos. O ambiente e as quadras do clube favorecem seu tipo de jogo: “Gosto bastante de jogar aqui, amo as condições de nível do mar, amo jogar na quadra rápida”, seguiu a jogadora que treinada por Eduardo Portal.

Mauad é filha do ex-craque de futebol Alex que atuou pela Seleção Brasileira, Flamengo, Cruzeiro, Coritiba, Fenerbache e Palmeiras. O pai, que vez ou outra bate uma bolinha com a filha, é uma inspiração e dá total apoio para sua carreira onde pretende ser profissional: “Almejo ser profissional, é meu sonho desde pequeno, trabalho para isso desde pequena, o caminho é longo, difícil, mas estou na direção certa. Por conta disso optei por só jogar eventos mundiais ITF agora para pegar ritmo, pegar jogos duros, perder para aprender, o caminho do ITF é ótimo. O apoio dos meus pais é enorme, eles me ajudam muito, sem eles eu não conseguiria. É muito bom ter isso pois alguns pais não apoiam. Eu vejo o Alex muito mais como meu pai do que o cara que jogou bola, é meu pai, me dá apoio. O fato dele ter sido atleta me influencia muito no quesito de me ajudar, dar dicas como é o esporte em si, se portar em quadra. Como futebol e tênis são muito diferentes e por ele ser quem ele foi não influencia muito”.

O Brasil terá pelo menos mais duas representantes na chave principal no feminino. Maria Salomão enfrentará a favorita Ana Candiotto. Livia Cavalcanti encara Amanda Oliveira que derrotou a indiana Suchi Bedi por 6/2 6/0. Isabella Fioviranti encara a canadense de mãe brasileira, Zoe Correia. Zoe passou pela quarta favorita, a brasileira Isabella Pinto por 6/0 6/4.

Foto: Maria Mauad (Crédito: Thiago Parmalat)