De acordo com informações da TV estatal austríaca ORF, o tricampeão mundial de Fórmula 1 e atual chefe não executivo da equipe Mercedes Niki Lauda teve a sedação retirada ainda no sábado e já respira sem a ajuda de aparelhos, após ser submetido a um transplante de pulmão na última quarta-feira. O Hospital Geral de Viena poderá divulgar nesta segunda-feira um boletim médico caso o próprio Niki Lauda permita.

Lauda, de 69 anos, deu entrada no hospital há quase três semanas, depois de pegar uma forte gripe quando descansava em Ibiza, na Espanha. Com o agravamento do estado do ex-piloto com um quadro de febre alta e tosse violenta, o austríaco decidiu ir para Viena para ser melhor assistido.

No começo, o tricampeão recebeu apenas o tratamento convencional para uma gripe, mas uma piora acentuada no seu estado de saúde fez com que os médicos optassem pelo transplante de pulmão – vale lembrar que Lauda teve os pulmões comprometidos num acidente na pista de Nürburgring em 1976 , quando um incêndio o fez inalar gases tóxicos, e ainda por cima é fumante.

Durante uma semana, Lauda foi mantido vivo apenas com a ajuda de um respirador artificial, enquanto esperava um pulmão de algum doador. Depois da cirurgia, foi levantada uma polêmica a respeito de um suposto benefício ao ex-piloto por ele ser um dos esportistas mais populares da Áustria, mas o cirurgião Walter Klepetko rebateu as acusações com veemência, destacando a gravidade do caso.

O Hospital Geral de Viena faz uma média de 120 transplantes por ano e a taxa de sobrevivência é de 70% nos cinco anos seguintes. Nos pacientes mais jovens, a alta costuma ocorrer de duas a três semanas depois do procedimento, mas pela idade avançada de Lauda, a liberação deve demorar um pouco mais.