A Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador), responsável pelo monitoramento da sinalização das vias públicas e também pela manutenção das mesmas, vai receber solicitação dos cidadãos para a realização de sinalização de vias. O pedido dever ser feito através do telefone 156. O objetivo é evitar que o condutor não tenha dificuldade em identificar, por exemplo, faixas de pedestres e indicativos para redução de velocidade, favorecendo tanto a motoristas quanto pedestres.

O cronograma de ações da autarquia é planejado com base em um banco de dados que compila as solicitações da população através do Fala Salvador (156), das dez unidades administrativas das Prefeituras-Bairro, de informações do Núcleo de Operações Assistidas (NOA) e de reuniões de profissionais da Transalvador nas comunidades, além de visitas técnicas.

De acordo com a Gerência de Sinalização (Gesin), a manutenção da sinalização é priorizada nas bases de tráfego e principais vias, a exemplo das avenidas Afrânio Peixoto (Suburbana) e Luiz Viana (Paralela).

Segundo a Gesin, para aplicação da tinta, que pode servir para a demarcação de redução de velocidade, faixa de pedestre, eixo e borda, os técnicos do órgão realizam uma análise criteriosa da área de aplicação da tinta para que o material seja bem fixado no solo e tenha alta durabilidade. São avaliados critérios como velocidade média dos veículos que trafegam, largura das vias e a temperatura adequada para aplicação, que é recomendada em torno de 23º a 25º.

As tintas usadas para demarcação das vias públicas também são itens criteriosamente analisados. A depender do serviço e do asfalto, são utilizadas a tinta a frio, que tem durabilidade média de três meses, e a tinta quente, material aquecido em uma caldeira e que pode durar até dois anos. Esta última, se aplicada em condições não favoráveis, pode descolar totalmente do asfalto logo após a aplicação. Foram contempladas recentemente com as melhorias vias da Cidade Baixa até a Ribeira, além da Avenida ACM.