A intenção era apenas a de usar a imagem e a credibilidade de um ídolo do futebol, tricampeão mundial, e que de fato era fumante, Gérson – o canhotinha de Ouro.

Mas o bordão do comercial dos cigarros Vila Rica caiu na boca do povo e sempre é lembrado como um sinônimo de esperteza e malandragem, no pior sentido do termo. “Levar vantagem em tudo” passou a ser no país onde várias leis não pegam, a famosa “Lei de Gérson”.

O “papagaio” (apelido dele no futebol) virou (e ainda vira) uma verdadeira “arara” de tão chateado quando o assunto é lembrado.

Além de ter o seu nome eternamente ligado a algo negativo, ficou parecendo à época que a máxima era uma prática de vida dele, um conselho de quem concordava com isso: o hábito de levar vantagem de qualquer jeito.

O efeito avassalador da repercussão nas massas prova a força que pode ter uma propaganda.

Equívocos à parte, querendo ou não o Gérson, o comercial ficou famoso, “a tal lei” também e o Vila Rica se tornou um cigarro muito vendido no país, “certo”?

1976 – Agência: Caio Domingues & Associados – Empresa contratante: J.Reynolds – Produto: Cigarros Vila Rica

imagem: youtube