A expectativa nos bastidores da política é que Rodrigo Janot apresente ainda nesta semana a denúncia contra o presidente Michel Temer, acusando-o dos crimes de corrupção passiva e de outro tipo penal que caracterize obstrução à Justiça.

Se houver mesmo essa denúncia, os olhos da nação migrarão imediatamente para a Câmara dos Deputados, que teria de deliberar sobre a admissão da denúncia da PGR. Caso 2/3 dos membros da Casa votem pela admissão, o STF decide sobre o recebimento da denúncia, que instauraria o processo penal e afastaria Temer do cargo de presidente.

Como de praxe, a questão técnico-jurídica acabará ficando em segundo plano na Câmara. O ponto central será a leitura política dos partidos que compõem a larga base de apoio ao Presidente da República: valeria a pena seguir ao lado de Temer com todo esse cenário de desgaste? Alguns partidos já se retiraram, como o PSB, e a debandada poderá ser ainda maior.

Segundo a Folha, Temer já conversa com os seus aliados mais próximos sobre estratégias para barrar a denúncia na Câmara.

As próximas semanas prometem.

Imagem: Folhapress