Professores, militares, policiais, auditores da Receita Federal, peritos do INSS, diplomatas e oficiais de chancelaria e carreiras jurídicas. Essas, por enquanto, são as categorias que o governo Michel Temer escolheu para compor a lista das que não terão reajuste de salários em 2018. Com o congelamento, que poderá incluir outra leva de servidores federais, a equipe econômica espera economizar R$ 9,8 bilhões no próximo ano.

O congelamento de salários é uma das saídas encontradas pelo governo para a revisão da meta do déficit deste ano e de 2018. Segundo as pastas do Planejamento e da Fazenda, sem esses recursos, a conta não fecha e ficará difícil cumprir as metas de deficit que devem ser anunciadas na segunda-feira (14). Para 2017, a meta passará de R$ 139 bilhões para R$ 159 bilhões. Para 2018, de R$ 129 bilhões também para R$ 159 bilhões.

Outra medida anunciada com o mesmo objetivo vai mexer diretamente no bolso de quem está ingressando na máquina federal. O salário inicial de novos servidores ficará restrito a R$ 5.000 e haverá corte de benefícios como auxílio-moradia e ajuda de custo em casos de remoção.

Michel Temer – Foto: Agência Brasil