Após reunião com representantes do ministério de Minas e Energia, onde foi discutido estudo do Operador Nacional do Sistema Elétrico (NOS), o presidente Michel Temer decidiu manter o horário de verão 2017/2018, que começa a valer no dia 15 de outubro e se estende até fevereiro. Nesta segunda-feira (25/09) a decisão foi anunciada.

Com o horário de verão, os moradores das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste devem adiantar o relógio em uma hora a partir do dia 15 de outubro. Assim como os demais estados do Nordeste e do Norte do país a Bahia, mais uma vez, não vai aderir à medida.

O fim do horário de verão passou a ser discutido após estudo do ONS e do Ministério de Minas e Energia concluir que essa política pública traz efeitos “próximos à neutralidade” com relação à economia de energia elétrica.

Criado com o objetivo de economizar energia elétrica durante o período em que está em vigor, o horário de verão passou a ser questionado em sua função principal. Os estudos conduzidos pelo ONS revelaram que esse objetivo não é mais atingido. Foi a partir daí que o assunto passou a ser analisado por outros entes do governo.

No Brasil, o horário de verão foi instituído pela primeira vez no verão de 1931/1932 e vem sendo adotado continuadamente desde 1985. Segundo dados do governo, a economia com a última edição (entre outubro de 2016 e fevereiro) foi de R$ 159,5 milhões.