As autoridades mexicanas ainda trabalham para atender as vítimas do maior terremoto verificado em 100 anos, que causou estragos e deixou ao menos 15 mortos nos estados de Tabasco e Chiapas durante a madrugada desta sexta-feira (08/09). Os abalos, que ocorreram perto da cidade de Tonalá (Chiapas), a quase 100 km da costa, a uma profundidade de 19 quilômetros, também foram sentidos na capital do México.

Segundo as autoridades do país, na costa do Pacífico central e sul do México, um alerta de tsunami foi ativado para a possibilidade de ondas de até quatro metros. Localidades costeiras receberam ordem de evacuação. O terremoto aconteceu às 23H49 locais (1H49 de Brasília, sexta-feira).

A capital e sua região metropolitana, com mais de 20 milhões de habitantes, não registraram muitos problemas, no entanto, e os transportes públicos seguiram com funcionamento normal. O aeroporto internacional suspendeu momentaneamente algumas operações.

Por medida de segurança, as aulas foram suspensas em vários Estados, incluindo a capital, para uma revisão estrutural das escolas.

Muitos mexicanos se recordam do terremoto de setembro de 1985, que deixou um balanço oficial de mais de 10.000 mortos. Algumas organizações civis mencionam mais de 20.000 vítimas fatais.

Foto: Edgard Garrido / Reuters