Muito criticado por ignorar a agenda oficial da Presidência da República ao marcar encontros, como o que teve com Joesley Batista, da JBS, o presidente Michel Temer, do PMDB, mandou um recado curto e grosso para a nação e também para os seus eleitores. “Eu converso com quem eu quiser, na hora que eu achar mais oportuna e onde eu quiser”, disse, negando que negar que irá disputar algum cargo eletivo em 2018, para não perder o foro privilegiado.

Em entrevista ao jornal do SBT, Temer acrescentou que reunião à noite revelam que ele trabalha permanentemente. “Quem fala que 22h é tarde, deve ser porque trabalha até 18h, e acha que depois das 18h ninguém pode trabalhar. O presidente da República trabalha permanentemente e não tem local de trabalho”, acrescentou.

Sobre possíveis acusações contra ele, que venham ocorrer com a delação do doleiro Lúcio Funaro, Temer garantiu que essa possibilidade é zero. Também assegurou não conhecer Funaro.

Com relação às denúncias feitas contra ele pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, o presidente disse, sem citar o nome de Janot, que o procurador-geral extrapola suas funções no Ministério Público.

Michel Temer – Foto: EBC / Divulgação