Com quatro ações civis públicas relacionadas ao sistema de lanchas da travessia Salvador-Mar Grande ajuizadas antes do naufrágio do dia 24/08, que resultou em ao menos 19 mortes, o Ministério Público do Estado da Bahia pediu à Justiça, nesta quarta-feira (30), em caráter de urgência, a suspensão temporária da travessia.

Desta vez, o MP requer que a liberação das lanchas seja condicionada à apresentação de uma série de laudos e documentos como estudos técnicos sobre a segurança das embarcações, habilitação técnica e profissional de toda a tripulação e perícia em todas as embarcações das duas empresas feita por profissional indicado pela Justiça.

A medida atinge as empresas CL Transportes e Vera Cruz Transportes, concessionárias que fazem a travessia e para sustentar o pedido de suspensão e condicionamento para a liberação o Ministério Público se ampara no âmbito de uma ação civil pública ajuizada pela Promotoria em 2014 denunciando a precariedade do sistema

A luta do MPE para tornar seguro o sistema de travessia de lanchas na Baía de Todos os Santos vem há pelo menos 10 anos. Após a tragédia anunciada, o Ministério Público instaurou um novo inquérito civil para apurar as causas do acidente, que pode resultar em uma nova ação civil pública.

Foto: Ueslei Marcelino/Reuters