Um ano e três meses de prisão e pagamento de 36 dias-multa por crime de calúnia e difamação. Essa foi a condenação aplicada ao perito Ricardo Molina por ter dirigida falsas acusações à delegada Acácia Nunes, que trabalhou nas investigações sobre a morte dos irmãos Emanuel e Emanuele Gomes, em outubro de 2013, fato ocorrido em Ondina. Molina foi contratado pela médica Kátia Vargas, acusada de matar os irmãos e que vai a júri popular no dia 7 de novembro.

Emanuel e Emanuele Gomes estavam em uma motocicleta e foram perseguidos pela médica, que dirigia um carro, após uma discussão de trânsito. Segundo testemunhas, Kátia Vargas teria perseguido os dois irmãos e atingido a moto com o seu veículo. A motocicleta bateu em um poste e os jovens morreram no local.

Na defesa de sua cliente, Ricardo Molina acusou a delegada de ter agido para incriminar a médica. O perito afirmou em uma emissora de rádio que “a delegada alterou a data do depoimento de uma testemunha que, segundo ele, não teria sido ouvida no dia do crime, mas depois, já influenciada pela cobertura da imprensa”.

Ainda de acordo com as acusações de Molina, Acácia Nunes modificará, por determinação da delegada titular Jussara Souza, a data do depoimento de Arivaldo Lima Souza, uma das testemunhas do caso. “Ela é uma criminosa, alterou dados oficiais. Isso é crime, merece processo”, acusou Ricardo Molina, hoje condenado, que poderá recorrer da decisão da Justiça.