Uma  grande quantidade de vacinas contra HPV, pode ir para o lixo, por causa da baixa procura da população nos postos públicos de saúde de todo o país.

Desde 2014 o SUS – Sistema Único de Saúde disponibiliza gratuitamente a vacina, inicialmente para meninas de 09 a 14 anos e portadores de HIV de 09 a 26 anos. Desde o ano passado, a vacina também está disponível  para os meninos de 12 a 13 anos de idade.

Só que menos da metade das garotas que deveriam ser vacinadas e apenas 10% do público masculino (meninos de 12 e 13 anos) procuraram os postos e tomaram a vacina. Número muito baixo e insuficiente para a utilização do estoque da vacina.

Foram compradas esse pelo Governo Federal, 06 milhões de doses que custaram R$ 280 milhões. Cada dose custa R$ 43,00 bem mais cara do que a da vacina tríplice que custa R$ 11,00 a dose.

O lote comprado em 2015 está vencendo e pode ser totalmente descartado.

Para setores organizados da sociedade na área de saúde, como o Sindicato de Infectologistas do Rio Janeiro, o fracasso na campanha de vacinação contra o HPV, se deve ao péssimo trabalho feito de divulgação. E também pela mecânica utilizada, que deveria levar as informações e os postos de vacinação às escolas.

Para especialistas do assunto, muitos pais não estão bem informados sobre o tema, inclusive, que os meninos podem e devem tomar a vacina.

A contaminação por  HPV é a quarta maior causa de câncer nas mulheres. Ele pode provocar a doença em vários orgãos como útero, boca, garganta, ânus e nos homens é o principal causador de câncer de pênis.

O principal meio de propagação do HPV são as relações sexuais sem preservativos, daí a importância de uma forte campanha de conscientização sobretudo entre os jovens.

foto: agência brasil/sus